sábado, 14 de fevereiro de 2009

Lição - mal - aprendida em casa

Uma cena grotesca surgiu na minha frente ontem, causando tristeza e revolta. Um menino, com cerca de nove anos, caminhava acelerado, levando o chinelo em uma das mãos. Estranhei a cena. Alguns segundos depois descobri as razões de sua atitude. O guri mirou e acertou em cheio um pássaro que comia um alimento na calçada. Saltaram penas para todos os lados, e a ave nem piou. Ficou inerte no chão até que o seu algoz a pegou e gritou para um amigo postado no outro lado da rua: "Acertei, acertei..." E olhava sua presa com prazer. Eu e outras pessoas protestamos. Perguntamos se aquela era a educação que ele recebera em casa, se sabia que era crime maltratar animais. Ele não se importou, riu de "felicidade", seguiu adiante e jogou o pássaro morto junto a uma árvore. Como se atira um saco de lixo.
Descobri alguns passos adiante que ele estava trabalhando. Sim, um menino com sua idade distribuia panfletos de propaganda nas caixas de correspondência. Não aguentei e novamente o questionei: "Tu sabes que criança não deve trabalhar? Para quem tu estás fazendo isso?" Auxiliado pelo colega, dirigiu uma série de palavrões para mim, antes de dizer: "Vou chamar o meu patrão"! Quis me intimidar. Fiquei triste porque estava diante de uma criança que parecia desconhecer os limites entre o certo e o errado e certamente cometerá infrações maiores quando tiver mais idade. Mas onde estão os pais? Não estão!

2 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

Sou uma pessoa crítica, politizada, batalhadora, defensora da natureza, humilde e feliz.

Li e gostei, então vim ler mais ao blog!

Lição - mal - aprendida em casa

Assustador este seu relato, fico a imaginar por todo esse Brasil, essa mesma situação caótica do menor nas ruas.

Bem , eu na verdade sei é falar de poesia, e lhe convido para conhecer meu espaço Poético, que deixo o Link, pois vai aparecer o outro espaço que tenho também, de qualquer forma, o convite é para todos, e se desejar ser um seguidor do Blog, ficarei ainda mais feliz,Efigênia Coutinho

http://efigeniacoutinhopoesias.blogspot.com/

marcinha disse...

Jorge
Cada vez mais roubam a infância e adulteram a ternura das nossas crianças. Como isso é triste!