quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Aposentados: acordo é uma falácia

O dito acordo entre o governo federal, as centrais sindicais e as entidades dos aposentados é uma falácia. Troca-se seis por meia dúzia. Quem ganha mais de um salário mínimo, terá aumento real, mas não recomposição de perdas anteriores.
O pior é a questão do fator previdenciário, que deixará de existir. Mas, em seu lugar, entra a tal fórmula 85/95, que é pior ou igual ao fator. Ou seja, a partir do acordo e da votação no Congresso, só se aposenta com o valor integral a mulher que chegar a 85 na soma entre o tempo de serviço e a idade. Para o homens, este equação chega a 95. Ou seja, quem começou a trabalhar cedo - caso da população mais pobre - terá que labutar muito mais para equilibrar o novo ganho ao salário que tinha quando estava na ativa.
Pura enrolação, que os aposentados estão aceitando porque haverá uma pequena reposição no reajuste anual.

2 comentários:

Jornalista - Antonio Carlos Ribeiro disse...

Parabéns pela materia.

Abraço

Antônio disse...

Só discordo na questão de que os “aposentados estão aceitando”. Isso não: o governo está negociando com as centrais, mas valeu mesmo o peso da CUT e da Força Sindical. Outra pequena tb seguiu e uma quarta foi contrária ao acordo.
Aliás, essas centrais encaminharam uma proposta do próprio governo. As Federações dos aposentados foram alijados do processo. Quem tratou do seu assunto foram esses ditos representantes dos trabalhadores, da ativa.
Parece que não estão preocupados com seu futuro de aposentados. Esse mal da aposentadoria não os atingirá.
Os projetos do senador Paim dançaram. Literalmente.
Abraço