sábado, 5 de março de 2011

Arena romana x arena gremista

Quando falam em arena, lembro que, durante o Império Romano, os cristãos eram jogados no centro de um anfiteatro para serem trucidados por gladiadores ou devorados pelos leões. Serviam a política de pão e circo dos imperadores de então. Era uma selvageria.
Quando leio sobre a arena, hoje, sou informado que trabalhadores foram trazidos da Bahia para construir o novo estádio do Grêmio. Foram jogados na arena sem as mínimas condições de salário, de alimentação e de moradia. É uma selvageria.
O Ministério do Trabalho mandou a construtora resolver a situação, sob pena de a obra não continuar. Alguma semelhança? Sim, afinal cidadãos são usados para garantir o deleite de alguns privilegiados. Durante o Império Romano, na hora. No estádio gremista, dentro de dois ou mais anos.

Um comentário:

Parente disse...

Parece que o amigo está usando sua adversidade clubística para atingir nós gremistas. De fato isso aconteceu, mas a responsabilidade é dos empresários inescrupulosos que pensam diminuir os custos da construção, no ítem "mão-de-obra. Mas, isso não é só na construção da Arena, e sim em todas as áreas da Construção Civil, aqui em Porto Alegre e pelo Brasil todo. Sob o argumento que não encontram mão-de-obra qualificada aqui, vão em outros estados buscar, e os outros estados fazem o mesmo; vêm aqui com propostas mirabulantes e acabam levando alguns desinformados que acreditam nas lábias dos empresários, mas acabam quase sempre quebrando a cara, tal como os baianos trazidos para a obra da Arena.
Na verdade meu amigo, existe sim mão-de-obra qualificada. O que não existe é salário qualificado, um salário que dê dignidade ao trabalhador e sua família. Então o trabalhador qualificado prefere trabalhar por conta própria a que ficar a mercê desses capitalistas, que além de pagarem muito pouco para quem realmente produz, ainda por cima desqualificam o operário.