sábado, 1 de novembro de 2008

Com Obama


Na minha concepção, os EUA continuarão sendo o império que se apropria de tudo e de todos. Mas, entre o candidato belicista John McCain (continuação de Bush) e o democrata Barack Obama, sou este último. Tomara que esta boa sensação - de um país tradicionalmente racista eleger um negro - não acabe pelas mãos de fanáticos. E isso não falta por lá.

Um comentário:

Bernardete disse...

Nos EUA, hoje, quem, de fato, apóia McCain são homens brancos, sulistas, racistas, fundamentalistas cristãos, neocons, neonazistas (vejam os moleques que queriam matar Obama) e pessoas de estados extremamente conservadores politicamente (Alabama, Texas, Tennessee, Idaho, Oklahoma e mais alguns).

Operários, jovens, estudantes, intelectuais, negros, latinos, mulheres, moradores de estados moderados (Michigan, Pensilvânia) ou liberais (progressistas, como a Califórnia, Illinois, Oregon, New York, Nova Jersey, Delaware) votam em Obama.

Até no Arizona, estado natal de McCain e onde vivem muitos latinos, Obama conseguiu empatar com o candidato Republicano. E mesmo em estados tradicionalmente Republicanos, como a Virgínia, Flórida, Indiana, Missouri, Obama consegue ficar um pouco à frente de McCain nas pesquisas.

Assim, Obama deverá ser o novo Presidente dos EUA. A não ser que TODAS as pesquisas estejam erradas, algo difícil de se acreditar.

Que uma ou outra pesquisa esteja errada, vá lá.

Mas, TODAS? de TODOS os institutos?

Duvido.

Salvo algum gigantesco erro de TODOS os institutos de pesquisas e de todas as pesquisas, Obama já é o novo Presidente dos EUA!

Com Obama Presidente, irá mudar muita coisa nos EUA? talvez, não.