sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Verde X arranha-céu


A amiga Eglê Kohlrausch, moradora privilegiada da zona rural de Porto Alegre, manda dizer pelo Facebook que, ao abrir a janela do seu quarto, o sol beijava as flores e as árvores (foto). Fiquei alegre por ela e triste pela minha situação. Já estou junto à janela de minha sala, onde escrevo, e vejo um arranha-céu de 19 andares sendo construído. Naquele terreno, estavam as árvores mais bonitas da Cidade Baixa. Inclusive, uma nogueira centenária, que foi transplantada e naturalmente morreu. Restam pequenas árvores nas ruas. Ao contrário da Eglê, eu respiro um ar menos puro. Para conseguir me igualar a ela tenho que ir no meu quintal, o Parque da Redenção, distante 500 metros. Mas vale a pena.

Um comentário:

Egle disse...

Acho um privilégio poder conviver com a natureza, da forma que for possível, no quintal de casa ou nos parques públicos. O contato com as formas naturais reenergiza e nos transforma em pessoas melhores e mais sensíveis, capazes de aprender a valorizar um beija-flor sorvende e beijando uma florzinha.